domingo, 14 de junho de 2015

"Meu coração na bandeja"




Agora já não tem mais jeito,
Que então seja feito 
E que assim seja!
Meu coração já é teu...
Pode servir na bandeja.
Um dia só sem te ver
E o pobrezinho já lateja!
Pode sim... pode servir na bandeja
Já é... o que ele deseja.
Talvez não sei se é... come-lo
Realmente o que você almeja.
Pode ser como antepasto
Pode ser o prato principal
Ou até mesmo sobremesa.
Chama o garçom pra servir na bandeja.
Não fica muito bonito servir moído,
Pode ser picado no molho como moela...
Ainda mais se colocar na baixela.
Pode ser acebolado, todo tostado,
Hum! Bom pra caralho!
Então vê se não esquece o alho! 
Que é pra não ficar insosso.
Pode servir no jantar, no lanchinho ou no almoço.
Pode ser refogado no vinho ou assado na cerveja.
Pode, pode sim, meu benzinho,
pode servir na bandeja.
Pode ser em cubos enfiados no espetinho,
Ele promete bater quietinho,
Sem fazer alarde,
Mesmo no momento em que mais arde.
Pode ser caramelado, crocante por fora e tenro por dentro,
Pode ser desfiado com salsa, tomate e muito coentro.
Pode ser trufado, horas bolas!
Já que somos dois chocólatras.
Opa! Pode bem ser boiando na sopa,
Ou em salada, com bastante alcachofra.
Pode ser polvilhado de confeitos coloridos,
Nada mais o fere depois desse cotovelo tão dolorido.
Pode ser em lascas, ou pode ser em bife.
Assim que melhorar seu apetite,
Depois que passar a gripe.
Pode ser guisado, vou achar até gozado,
Ou frito com muito pimentão,
Requentado no amor ou na paixão.
Agora já não tem mais jeito,
Que então seja feito e
Que assim seja...
Meu coração já é teu,
Pode servir na bandeja.
Pra acompanhar pode beber um espumante,
E o coração bife a rolê, 
pra não escapar o recheio,
Amarre bem com barbante.
Depois de devorá-lo com rabanetes,
Não esqueça o fio dental,
Que é pra eu não ficar em seus... dentes, foi mal,
E não sair em tuas palavras.
Agora já sabe que sou teu,
O que posso te dizer?
Coma-me! Coma-me! Coma-me!
Antes de me decifrar...
DEVORE-ME!